Judoca paga faculdade de faxineiro que sonhava em se formar em Direito

Sonho realizado

Juízes pagam faculdade de faxineiro que sonhava em se formar em Direito​
08/02/2021 - O judoca e juiz do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) deu um show de solidariedade em Contagem, cidade da região metropolitana de BH, ao bancar o curso de Direito para Samuel Santos Silva, iniciado quando ele ainda trabalhava como faxineiro no antigo fórum de Contagem, juntamente com seu amigo e também juiz, Afonso José de Andrade, hoje, aposentado.

O juiz Wagner Cavalieri, da Vara de Execuções Criminais e judoca faixa preta pela Associação de Judô São Geraldo, filiado à Federação Mineira de Judô (FMJ), descobriu o interesse do então faxineiro após uma breve conversa no estacionamento.

Curioso, Cavalieri decidiu ajudá-lo ao descobrir que o rapaz era apaixonado pelo campo jurídico e já havia cursado direito por seis meses. Mas, largou o curso porque não conseguiu pagar as mensalidades. Cavalieri contou o caso ao mencionado amigo e os dois decidiram apadrinhar Samuel. O jovem voltou à universidade e, ao longo dos semestres, vários outros juízes também se ofereceram para dividir o suporte financeiro, mobilizados pela dedicação de Samuel.

Juiz e Judoca Cavalieri com o Samuel

Juízes pagam faculdade de faxineiro que sonhava com a Magistratura
‘Grandes virtudes’

Após cinco anos e muita solidariedade, Samuel se formou em direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e, hoje, é estagiário de pós-graduação na Procuradoria-Geral do Município de Contagem e motivo de orgulho para os que o apoiaram. “Ele tem grandes virtudes, é perseverante e sempre procura se aperfeiçoar. As dificuldades não o abalaram. Vê-lo graduado foi um prêmio para mim, sensação de satisfação por ter apoiado alguém que não poderíamos perder no mundo jurídico”, afirma o juiz Afonso Andrade.

O sentimento é compartilhado pelo colega que ajudou a colocar Samuel de volta nos estudos. O juiz Wagner Cavalieri lembra que, ao logo de todo o curso, o rapaz fez questão de prestar contas das notas que tirava, dos trabalhos e projetos futuros. “Desde o início, vimos que o Samuel era extremamente interessado”, conta Cavalieri.

O presidente da FMJ, Nédio Henrique Pereira, ressalta que o exemplo dado pelos magistrados corresponde ao princípio do Jita Kyoei, por meio do qual busca-se o bem-estar, a prosperidade e benefícios mútuos. Acrescenta que o progresso pessoal só é completamente atingido,  com ajuda e solidariedade ao próximo. Sugere que seja conferido o Seminário sobre ”Pincípios do Judô”, constante do link: FEDERAÇÃO MINEIRA DE JUDÔ / PRINCÍPIOS FILOSÓFICOS.

A luta que o jovem enfrentou, no entanto, começou muito antes, quando ele tinha apenas cinco anos. Ele era o único companheiro da mãe, recém-separada do marido, quando saíram de São Paulo com destino a Minas Gerais, em busca de uma vida mais digna. Em BH, passou fome, dormiu em igrejas e praças e sofreu a fase mais difícil da sua vida em dias e noites na rua. Por pouco, ele e a mãe não se tornaram mendigos, como faz questão de enfatizar.

Paixão de criança

Com problemas psicológicos, a mãe precisou ser internada. Apesar de mais um drama, Samuel sentiu, durante aquele episódio, o gosto da compaixão e da solidariedade. Sem lugar para ficar, foi adotado por um casal que tinha sido padrinho de casamento dos seus pais. Um marceneiro e uma faxineira que deram a ele uma cama, comida, educação e um lar com outros 11 irmãos, onde ele viveu e cresceu de forma simples.

E foi exatamente aí que a paixão de Samuel pelo direito começou a se aflorar: no dia em que ele entrou no fórum de Contagem para ser oficialmente adotado. À época, ele nem imaginava que o lugar viria a transformar sua vida pela segunda vez no futuro. Mais velho, Samuel prestou vestibular para direito em duas universidades e, após passar nas duas, optou pela PUC. Ele só teve condições de pagar a matrícula – e, mesmo assim, só porque contou com a ajuda de mais um incentivador no meio do caminho: uma professora do ensino fundamental que se prontificou a quitar o boleto.

Sem dinheiro para estudar, ele cursou todo o primeiro semestre inadimplente e, por isso, não conseguiu se rematricular para o segundo período do curso. Então, ele se voluntariou para trabalhar como conciliador no fórum. O trabalho voluntário abriu portas para que ele conseguisse continuar trabalhando no local, onde sempre sonhou estar. E, eventualmente, conseguiu. “De repente, eu estava ali naquele fórum que me colocou em uma família adotiva, quando tudo começou a dar certo e as melhores oportunidades começaram a surgir. Meu sentimento foi de enorme gratidão”, lembra o jovem.

O Sonho da Magistratura

Juízes pagam faculdade de faxineiro que sonhava em se formar em Direito​
Profissão da mãe

O cargo que Samuel conseguiu para se manter no fórum, antes de poder estudar, também tinha um peso especial para Samuel. É que a mãe adotiva dele também trabalhava como faxineira, o que o fez ter uma admiração ainda maior pelo trabalho. “Admiro muito a profissão de faxineiro, que é a profissão da minha mãe adotiva. Fui orientado a esperar um pouco porque, como universitário, poderia surgir uma oportunidade melhor, mas eu comecei a trabalhar com dignidade e fazendo as coisas com muito amor”, conta.
 
Assim como os profissionais que o ajudaram ao longo do curso, os pais também admiram a persistência de Samuel. “Dos 12 filhos, apenas ele e uma irmã conseguiram se formar na faculdade”, disse o pai José Inácio Gomes. A mãe, Maria da Silva Gomes, recorda a primeira conversa que teve com os magistrados. “Eles disseram que iam apoiar os estudos do meu filho. Os juízes me ajudaram a criá-lo”, conta, emocionada.
 
O sonho é ser juiz
 
Para o ex-faxineiro, a dedicação em tudo que faz é uma maneira de honrar os pais e todos aqueles que o ajudaram em algum momento. “Imagina a situação. Os juízes me apadrinharam e pagaram minha faculdade do 2º período ao final do curso e, ainda, quitaram a minha dívida que ficou do primeiro período. Vários magistrados chegavam à comarca e persistiam em querer ajudar, os servidores também. Foi muito importante para mim viver tudo isso”, define o hoje pós-graduado.
 
Estágio, artigos em revistas, trabalho em escritórios de advocacia e em instituições do sistema de justiça, convites para participar da autoria de livros, pós-graduação na pela Universidade de São Paulo (USP), em gestão escolar e outros cursos em universidades norte-americanas. Tudo isso faz parte da história de Samuel agora. Mas o sonho maior é se tornar juiz de direito – e a motivação é uma amiga de longa data do rapaz: “Para poder ajudar”.
 
Adaptação - Fonte original: bhaz.com.br/Giovanna Fávero
Imagens: Mirna de Moura/TJMG